terça-feira, 4 de janeiro de 2011

TREINAMENTO PARA ACS

PROPÓSITO

            Pretende-se com este treinamento que o Agente Comunitário de Saúde (ACS) conheça a situação de saúde da sua comunidade, relacionando-a com o contexto sócio-econômico local e identifique formas de trabalho individual e coletivo na atenção primária à saúde.


OBJETIVO GERAL

            Treinar os ACS para atuarem junto às comunidades como elemento transformador, contribuindo na busca de soluções para os problemas de saúde das mesmas.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1.      Refletir sobre as condições de saúde da comunidade.
2.      Sensibilizar o ACS para o seu papel de agente de cidadania.
3.      Identificar as atividades do ACS na atenção primária à saúde da comunidade
4.      Discutir com a equipe de saúde da família, estratégias de mobilização da comunidade para conquista da saúde.
5.      Identificar os instrumentos de trabalho do ACS na comunidade.
6.      Discutir a importância da contribuição do ACS na identificação de situações de risco.

REFERÊNCIA BÁSICA

            O Trabalho do ACS – PACS/FNS/MS
            Adaptação do “Treinamento Introdutório Para Agente Comunitário de Saúde/PSF do Município de Contagem” – UFMG e “Programa Para Treinamento do
Agente Comunitário de Saúde” – Escola de Saúde Pública de Minas Gerais.


METODOLOGIA

            O treinamento será desenvolvido de forma participativa, problematizadora, fazendo com que o treinando seja um agente ativo deste processo.
            As atividades serão realizadas em 04 (quatro) módulos, num total de 72 horas, assim distribuídos:
            - 3 módulos de 16 horas, dois dias por semana
            - 1 módulo de 24 horas, três dias, incluindo a avaliação e certificação.


PROGRAMAÇÃO

MÓDULO I – 16 horas



1º DIA

  1. Apresentação do Grupo
      Técnica de Apresentação Cruzada. O instrutor orienta os treinandos a se sentarem dois a dois, de preferência quem não se conhece, e se apresentarem um para o outro (quem sou, quem é minha família, se já trabalhei com comunidade e como, o que gosto de fazer nas horas vagas). Depois cada um apresenta o outro.

  1. Escrever em poucas linhas a expectativa em relação ao treinamento, entregar ao instrutor para que seja utilizada na avaliação final.

  1. Exposição pelo instrutor da estrutura do treinamento, sistema a que está vinculado, instituições, objetivos, metodologia e duração do treinamento.

  1. CAPÍTULO I – Saúde da Comunidade.
4.1  - Lançar a pergunta para que os treinandos discutam: O QUE É SAÚDE?
                  O instrutor deve estimular a fala de todos e após complementar e/ou organizar o conceito.
4.2   - Solicitar aos treinandos para em grupos de 3 a 5 montarem um quadro – palavras, frases, desenhos – sobre o que a gente precisa para se ter saúde. Distribuir material necessário (pincel, papel kraft, revistas, etc.). Cada equipe deve apresentar o resultado para toda a turma. O instrutor deverá fazer uma conclusão de todos os trabalhos.
4.3   - Ler e discutir o texto: “Saúde” pág. 11 a 15.
      Confrontar as informações do texto com as discussões anteriores. O instrutor deverá esclarecer dúvidas com exemplos voltados para a realidade local.

2º DIA

1.      O instrutor introduz o conteúdo de seu texto de apoio nº 1 (pág. 16)
1.1     – Solicitar aos treinandos que listem: como vivem as pessoas na sua comunidade, de que adoecem, de que morrem, estimulando-as a explicitarem sua percepção sobre moradia, alimentação, trabalho, educação, composição, renda familiar e outros, relacionando-os com  o aparecimento de doenças.
1.2     – Conduzir os treinandos a identificarem como a população lida com seus problemas de saúde (meios e recursos).
1.3     – Discutir o que o ACS pode fazer para melhorar a saúde de sua comunidade. Estimular o ACS a identificar estratégias e parcerias na solução de problemas.
1.4     – Problematizar o texto de apoio nº 1A. O instrutor deverá ouvir o que os treinandos conhecem, formulando questões sobre os pontos-chave da proposta e da realidade local (estruturas do sistema local). Após esta discussão, entregar este texto para leitura, relacionando suas realidades com o texto.
1.5     – Assistir à apresentação do vídeo: CIDADANIA.

2.      CAPÍTULO II – O Agente Comunitário de Saúde – Um agente de mudanças.
       Introduzir o capítulo com a pergunta: O QUE VOCÊ ENTENDE POR SER UM ACS?
2.1     – Após todos colocarem suas idéias, passar a definição da pág. 24, feita pela ACS do Pernambuco, e perguntar como eles sentiram a importância do ACS na comunidade. Estimular a participação de todos na discussão chamando atenção para o que é serviço público, como é pago (impostos) e a importância do controle social – o papel dos Conselhos de Saúde, câmara de vereadores, etc.
2.2     – Entregar o texto da pág. 25 a 32, pedindo para destacarem as dificuldades e as idéias mais importantes para a discussão em grupo.
2.3     – Estimular os participantes a adequarem o seu próprio ambiente ao que está sendo proposto para a comunidade.
2.4     – Assistir ao vídeo: QUEM É O AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Apresentar o vídeo destacando as atribuições e o perfil do ACS.

MÓDULO II – 24 horas

1º DIA

       1 – Iniciar passando para os treinandos (pequeno texto, transparências, etc.) um pouco da história da criação do Programa de Saúde da Família, baseando-se também no Texto de Apoio nº 2 “Um Pouco de História” – pág. 33 a 37.

CAPÍTULO III – O Incentivando a participação da comunidade.

        2 – Distribuir o texto da pág. 40 a 50.
            2.1 – As páginas 40 a 45 devem ser lidas e discutidas no grupão.
            2.2 – Dividir os treinandos em 4 grupos e solicitar que cada grupo planeje uma das ações: Semana de Saúde; Campanha de Vacinação; Mutirão e Festas da Comunidade.
            2.3 – O planejamento das ações  deverá ser apresentado pelo pequeno grupo no grupão. Discutir com as pessoas de sua comunidade participam dos eventos coletivos. O instrutor orienta para que o grupo cite casos enfocando os pontos que facilitam o trabalho comunitário.

        3 – Texto de Apoio nº 3 – Dinâmica e Participação da Comunidade – Págs. 51 a 55.
            3.1 – Deve ser lido pelos treinandos. A leitura deve ser aberta e as discussões e para o esclarecimento de dúvidas é indicada a utilização de problema ou caso.
            3.2 – Assistir ao vídeo: Participação Comunitária em Saúde. Após a apresentação, abrir para a discussão se necessário.


2º DIA

CAPÍTULO IV – O ACS – Trabalhando e Aprendendo com a Comunidade.

        1 – Distribuir o conceito da pág. 58 para discussão, levantando conceitos sobre ética profissional, preconceitos, respeito aos costumes e crenças da população e dos ACS.

       
2 – Instrumentos de abordagem e comunicação.
            2.1 – O instrutor deverá fazer uma introdução sobre os instrumentos que o ACS pode utilizar para conhecer sua comunidade (entrevistas, palestras, reuniões, visitas domiciliares, etc.) e desempenhar melhor as suas atribuições.

3 – Distribuir o texto da pág. 61 a 63, sobre visita domiciliar.
            3.1 – Em pequenos grupos, solicitar que façam a leitura e preparem uma dramatização sobre este instrumentos
            3.2 – Antes de iniciar as dramatizações, solicitar que os grupos analisem as dramatizações destacando os pontos que facilitam ou dificultam a abordagem e comunicação,  destacando pontos importantes na organização da entrevista e visita domiciliar.
            3.2 – Fazer uma reflexão detalhada deste assunto.

4 – Mapeamento da Comunidade.
            4.1 – O instrutor apresenta o texto da pág. 64 a 66.
            4.2 – O instrutor orienta os treinandos, agrupados em pequenos grupos e por localidade, a desenharem o local onde moram identificando as casas, escolas, os recursos naturais e os principais recursos de saúde existentes na localidade (unidade de saúde, benzedeira, hospitais), bem como aspectos geográficos (rios, montanhas, áreas de risco) e pontos negativos (boca-de-fumo, esgoto a céu aberto, lixo, animais nas ruas, etc.).
            4.3 – Cada grupo deve expor e apresentar o seu desenho, falando sobre as principais características de sua comunidade e como pensam em trabalhar frente a situação relatada.
            4.4 – Assistir ao vídeo: Mapeamento.


3º DIA

1 – Cadastramento das Famílias.
            1.1 – Problematizar cadastramento: quais são as pessoas desta comunidade, como vivem, quais seus problemas, “como você guarda estas informações”, etc.
            1.2 – Ler e discutir o texto pág. 67 e 68.
            1.3 – Assistir ao vídeo: Cadastramento.
            1.4 – Ler e discutir a ficha de Cadastramento das Famílias, acompanhando no manual do SIAB, as orientações (pág. 10 a 20).
            1.5 – Distribuir fichas A e solicitar que em duplas cada, um entreviste um colega para obter informações. Acompanhar o preenchimento, esclarecendo dúvidas e fornecendo informações adicionais.
            1.6 – Planejar as atividades de cadastramento de famílias de cada área.
                        1.6.1 – Fazer revisão do processo, enfatizando a questão da visita domiciliar para cadastramento e lembrando que o ACS não deve perguntar coisas o que é evidente, pois afinal ele é morador da sua área de trabalho.
                        1.6.2 – Fornecer fichas para o exercício de cadastramento.
                        1.6.3 – Programar o tempo necessário para esta atividade, tomando por base o tempo de uma hora para a visita, mais o deslocamento.
            1.7 – Orientar para a dispersão.


MÓDULO III – 16 horas


1º DIA

1 – Apresentar e discutir o cadastramento realizado.
            1.1 – Solicitar que os treinandos apresentem o resultado do cadastramento realizado.
            1.2 – Listar as dificuldades encontradas, discutir como foram ou devem ser superadas.

2- Conhecer o instrumento de consolidação dos dados da ficha de cadastramento.
            2.1 – Apresentar o Manual do SIAB – pág. 55 a 58 – Relatório A2.

3 – Consolidar os dados do cadastramento das famílias de sua localidade.
            3.1 – Trabalhar individualmente, acompanhar a consolidação, esclarecendo dúvidas.
            3.2 – Solicitar que os treinandos apresentem o trabalho por localidade.

4 – Analisar o consolidado das áreas, agrupando os problemas mais freqüentes de saúde, moradia e saneamento, identificando serviços de referência e parceiros que possam dar suporte aos encaminhamentos e outras atividades da equipe de saúde da família.


2º DIA

1 – Ler e discutir o texto pág. 73 a 76: Promovendo Reuniões Comunitárias.

2 – Ler e discutir o texto de apoio nº 4, pág 77 a 80: Aprender com a comunidade.
            2.1 – Acompanhar a leitura esclarecendo dúvidas e fornecendo informações adicionais.

3 – Dispersão – Visitar alguns serviços de referência ao trabalho do ACS (laboratórios, farmácia, RX, Ultra-som, etc.).
            3.1 – Programar as visitas. Dividir os treinandos em grupos. Estimular a observação e os questionamentos.
            3.2 – Em pequenos grupos, solicitar que relatem a visita, destacando como o serviço visitado pode ajudar no trabalho do ACS. Discutir o sistema de referência e contra-referência.


MÓDULO IV – 16 horas


1º DIA

1 – Conhecer o Sistema de Informação do PSF.
            1.1 – Importância, registro de dados, fluxo de informações.
            1.2 – Discutir cada instrumento utilizado pelo ACS: ficha A, fichas B, ficha C e ficha D.
2 – O instrutor deverá preparar e apresentar um texto simplificado sobre “diagnóstico de saúde” (resumo das págs. 83 a 87 e 108 a 121).

3 – Conhecer o plano municipal de saúde e o trabalho do ACS como parte do sistema municipal de saúde.
            3.1 – Discutir o plano, o papel da comunidade e o ACS no controle social.

4 – Preparar uma forma de apresentar o papel do ACS para a comunidade.
            4.1 – No grupão, solicitar que encontrem formas de melhor apresentar o processo vivido e o papel do ACS (teatro popular, música, rádio, júri popular, etc.).
            4.2 – Convidar o Conselho Municipal de Saúde e autoridades. Organizar a apresentação.
            4.3 – Solicitar que o Conselho Municipal de Saúde se apresente e fale do seu papel, explicitando sua expectativa quanto ao trabalho do ACS.

5 – Avaliação.
            5.1 – Em pequenos grupos, solicitar que cada treinando represente através de colagem, sua expectativa inicial (como eu estava me sentindo) e hoje (como estou me sentindo).
            5.2 – Estimular que cada treinando explicite o caminho percorrido, sua expectativa inicial, anseios e sua visão atual do trabalho.
            5.3 – Fazer a avaliação em plenária, retomando os objetivos do treinamento, discutindo se foram alcançados. Identificar dificuldades para apoio individual e coletivo. Estimular todo o grupo a buscar superação das dificuldades, colocando-se à disposição de todos para a continuidade do processo educativo.

6 – Certificação.
            É importante que seja visto como um momento de premiação pelo trabalho desenvolvido. Pessoas importantes do município (prefeito, secretário de saúde, etc.) devem ser convidados a participar.


OBSERVAÇÕES:

1 – Os textos para os ACS serão distribuídos separadamente e de acordo com o assunto tratado.
2 – O instrutor deverá avaliar, após cada módulo, se houve aprendizado.
3 – Os ACS deverão estar em constante contato com sua equipe e/ou com a unidade de saúde.
4 – O processo de educação continuada deverá ser planejado por cada equipe, dando noções básicas de: aleitamento materno; cuidado com o coto umbilical; crescimento e desenvolvimento; diarréias; terapia de reidratação oral; insuficiência respiratória aguda; importância do pré-natal; prevenção de câncer; climatério; imunização; doenças crônicas; saneamento básico; endemias locais; AIDIPI para ACS e outros, levando-se em consideração os principais problemas de saúde locais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário